Conecte Conosco

Notícias Recentes

“Não tenho coragem de voltar”,diz aluna agredida na UNB

Redação Planalto

Publicado

em

Nesta terça-feira, a estudante do 1º semestre de museologia Poliana Romeiro Wanderley, 28 anos, foi agredida por Renato Pereira Santos com um pedaço de pau, sem qualquer motivo aparente no estacionamento da Faculdade de Tecnologia, na Universidade de Brasília (UnB), às 10h. “Ele saiu de trás de um carro, olhou para mim e bateu com um porrete de 1,5 metro na minha cabeça”, contou.

A pancada fez a estudante perder a visão por alguns momentos e entrar em desespero. “Eu gritei muito alto, pedi socorro. Alguns alunos escutaram meus chamados e vieram me ajudar”, relatou Poliana. Estudantes conseguiram deter o agressor até a chegada da Polícia Militar. Encaminhado para a Delegacia de Repressão a Pequenas Infrações (DRPI), Renato Pereira acabou liberado em seguida. A ocorrência foi registrada como lesão corporal. Um Termo Circunstanciado foi gerado e o agressor responderá em liberdade. O problema é que o morador de rua voltou para as proximidades da universidade. Alunos relataram tê-lo visto na Faculdade de Educação. Embora o fato tenha ocorrido na manhã de terça-feira, somente ontem o comunicado chegou ao Decanato de Assuntos Comunitários da UnB.

Brasil

Morre, aos 66 anos, Jorge Picciani, ex-presidente da Assembleia do Rio

Redação NDP

Publicado

em

Rio de Janeiro – O presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), Jorge Picciani, devolve para o governo estadual medidas que constavam no pacote de ajuste fiscal proposto. (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Jorge Picciani, ex-deputado estadual do Rio de Janeiro, morreu (14) hoje. Ele tratava de um câncer no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, e tinha 66 anos. O falecimento foi confirmado pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), que  divulgou nota lamentando a perda e informou que irá decretar luto de três dias.

“A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro lamenta profundamente a morte do ex-deputado e ex-presidente da Casa, Jorge Picciani. A Casa foi informada oficialmente do falecimento no início da manhã de hoje pela família de Picciani, que presidiu a Alerj por três mandatos. O presidente da Casa, André Ceciliano, ofereceu as instalações do Salão Getúlio Vargas para o velório, que deve acontecer no início da noite desta sexta-feira”, diz nota da Assembleia Legislativa.

Carreira política

O pecuarista Jorge Sayed Picciani foi eleito pela primeira vez para a Assembleia Legislativa (Alerj) em 1990, sendo  reeleito quatro vezes, presidindo a instituição de 2003 a 2010. Em 2010, concorreu ao Senado, mas não foi eleito, voltando para a Alerj na eleição de 2014 e também à presidência da Assembleia Legislativa. Filiado ao então PMDB desde 1995, foi presidente estadual da legenda.

Em novembro de 2017, Picciani foi preso na Operação Cadeia Velha, acusado de participar de um esquema de propina no setor de transportes do estado, e novamente em novembro de 2018 na Operação Furna da Onça, acusado de participar de esquemas de corrupção do ex-governador Sérgio Cabral.

Jorge Picciani deixa a esposa, Hortência, e cinco filhos. Entre eles, os também políticos Leonardo Picciani, que foi deputado federal e ministro do Esporte de Michel Temer, e Rafael Picciani, que exerceu mandatos de deputado estadual, tendo sido secretário de Transportes da prefeitura do Rio de Janeiro e de Habitação do Estado.

/Agência Brasil

Continuar Lendo

Brasil

Bombeiros retomam buscas por desaparecidos da tragédia de Brumadinho

Redação NDP

Publicado

em

/Vale

O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais anunciou a retomada das buscas por desaparecidos da tragédia de Brumadinho (MG) a partir de amanhã (12). Os trabalhos estavam suspensos desde o dia 17 de março, devido às restrições decorrentes de pandemia de covid-19. O estado havia entrado na onda roxa conforme classificação do plano Minas Consciente.

A tragédia de Brumadinho ocorreu em 25 de janeiro de 2019, deixando 270 mortos. Ainda estão desaparecidos 11 corpos. Na ocasião, o rompimento de uma barragem na mina Córrego do Feijão liberou uma avalanche de rejeitos que devastou estruturas da própria mina, comunidades e meio ambiente. A maior parte dos mortos era de trabalhadores da Vale, mineradora responsável pela estrutura, ou de empresas terceirizadas que ela contratava.

Esta não foi a primeira interrupção nas buscas em decorrência da pandemia. Em 2020, os trabalhos ficaram suspensos entre março e agosto.

De acordo com nota divulgada pelo Corpo de Bombeiros, a retomada se dará seguindo os protocolos sanitários definidos desde o ano passado.

“Até o final do mês de março de 2021, foi contabilizado que 3.913 militares da corporação já atuaram, em revezamento, em atividades de campo, coordenação e de saúde. Com a retomada, a operação seguirá para a fase de implementação da estratégia 8, que consiste na utilização de quatro estações de busca a serem instaladas na área denominada TCF, onde funcionava anteriormente o Terminal de Carga Ferroviária da mineradora”, diz o texto.

Parentes das vítimas

Em janeiro, a Associação dos Familiares de Vítimas e Atingidos do Rompimento da Barragem da Mina Córrego do Feijão (Avabrum), criada pelos familiares dos mortos na tragédia, manifestou preocupação com o futuro das buscas. Quando a tragédia completou dois anos, a entidade criticou o comportamento da mineradora em meio às negociações que levaram ao acordo de reparação firmado com o governo de Minas Gerais.

“Tem 11 pessoas para serem encontradas. Essa deveria ser a prioridade. As famílias estão se sentindo desamparadas. Enquanto um acordo bilionário é negociado sem a participação dos atingidos, os investimentos nas buscas são reduzidos. Famílias estão desesperadas para ter o encontro dos seus”, disse na ocasião Josiane Melo, presidente da entidade e irmã de uma das vítimas.

Vale

A Vale informou, em nota, que apoia a retomada dos trabalhos em melhores condições. “Os acessos às áreas de busca receberam melhorias e novas vias foram abertas, ampliando a capacidade para acessar toda a área que recebeu os rejeitos. Essas vias também são fundamentais para a segurança dos bombeiros e dos envolvidos durante a operação”, diz a mineradora.

Embora seja considerada estratégica para o avanço das buscas, a remoção dos rejeitos que se dispersaram no ambiente requer cuidados que tornam a atividade mais lenta desde o primeiro momento. Todo o sedimento recolhido precisa ser vistoriado manualmente pelos bombeiros em busca de qualquer vestígio das vítimas.

Além disso, uma série de estudos foi demandada para decidir sobre a destinação do rejeito removido. Apenas no fim de 2019, a Vale obteve autorização da Agência Nacional de Mineração (ANM) e da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad) para dispor os sedimentos já inspecionados na cava da mina Córrego do Feijão. A manutenção da estrutura gerou ainda uma nova tragédia em dezembro de 2019: um trabalhador que operava uma retroescavadeira morreu soterrado com a queda de um talude, levando a uma paralisação das atividades na área. Somente em março de 2020, teve início a disposição de material na cava.

A previsão inicial era de que toda a lama depositada entre o Ribeirão Ferro-Carvão e sua confluência com o Rio Paraopeba fosse removida até 2023. Segundo a mineradora, já foram recolhidos mais de 40% dos 8 milhões de metros cúbicos de rejeitos dispersos nesse trecho.

De acordo com a Vale, as condições de manejo dos rejeitos melhoraram com obras de drenagem das áreas impactadas. “Foram construídos canais de desvio de águas superficiais que evitam o umedecimento do rejeito”, explica o texto. A mineradora afirma ainda ter viabilizado testes PCR para detecção da covid-19 e garante o fornecimento de um kit de proteção diário, para cada oficial, com máscaras PFF2.

/Agência Brasil

Continuar Lendo

Mundo

Protótipo da SpaceX realiza voo e aterrissagem com sucesso

Redação NDP

Publicado

em

/REUTERS

A SpaceX realizou com êxito, nessa quarta-feira (5), em Boca Chica, no Texas, mais um lançamento teste do protótipo do seu futuro foguete, o SN15 (Serial Number 15). O lançamento foi para testar a capacidade desse novo tipo de aeronave decolar e aterrissar na vertical, tornando possível sua reutilização. 

Com isso, a SpaceX  avança na garantia e confiança que a Nasa, a agência espacial norte-americana precisa, pouco tempo depois de ter concedido a autorização para a nova missão de regresso à Lua.

Serial Number 15

“Nós temos ignição. O foguete está de regresso ao local de aterrissagem”. Pouco depois, a SN15 escondia-se atrás da cortina de fumaça gerada na aterrissagem, criando o suspense de um desfecho menos feliz, assim como suas sucessoras. Mas desta vez tudo correu como previsto. Ainda houve umas labaredas que não deveriam existir, o que será analisado pela equipe que lidera o processo.

Foram pouco mais de seis minutos entre a decolagem e a aterrissagem em Boca Chica, local e centro de testes dos protótipos Starship da SpaceX.

A SN15 esteve por várias semanas na plataforma de lançamento, onde foram realizados alguns testes de fogo fixo, um procedimento quase obrigatório nessas fases, que consiste na ligação dos três motores instalados no foguete.

Após vários cancelamentos devido às condições atmosféricas, autorizações e anomalias técnicas de última hora, foi dada luz verde para o lançamento do equipamento.

O teste dessa quarta-feira ocorreu de forma muito semelhante aos voos anteriores. O foguete subiu verticalmente, com o impulso dos três motores Raptor alimentados a metano. O teste voltou a realizar o que os seus antecessores fizeram, uma subida até 10 quilômetros de altitude, desligando progressivamente um a um os propulsores.

Após o corte do último propulsor, o SN15 começou a descida de forma controlada e na horizontal, uma manobra que a SpaceX descreve como necessária para poupar combustível e reduzir a velocidade na reentrada da atmosfera terrestre.

O dono da SpaceX, Elon Musk, disse que o Starship é o núcleo de uma futura frota de foguetes que impulsionará o homem para o espaço, a Lua e, mais tarde, até Marte. O projeto já foi confirmado, em parte, pela Nasa,

A SpaceX também vendeu um voo particular em volta da lua (dearMoon) usando a Starship, ao multimilionário japonês Yusaku Maezawa, e procura atualmente oito tripulantes, voluntários, para voar com ele.

/Agência Brasil

Continuar Lendo

Brasil

Obra “Sonhar Brasília” é lançada no Dia Mundial da Língua Portuguesa

Redação NDP

Publicado

em

/Cultura RJ

O lançamento hoje (5) no Brasil da publicação infantojuvenil Sonhar Brasília, dedicada à capital do país, marca as comemorações do Dia Mundial da Língua Portuguesa, que ocorre nesta quarta-feira (5). O lançamento será feito durante evento online, às 15h, promovido pela Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o Instituto Camões, o governo do Distrito Federal e embaixadas. O evento pode ser acompanhado no canal YouTube Unesco/Português, com retransmissão direta pelo portal da CPLP.

O Dia Mundial da Língua Portuguesa foi estabelecido pela Unesco em novembro de 2019 e comemorado pela primeira vez no ano passado.

O livro Sonhar Brasília reúne oito textos inéditos e ilustrados, selecionados pelas sete embaixadas dos países da CPLP com representação diplomática no Brasil – Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal e Timor-Leste, em colaboração com o Secretariado Executivo da CPLP, o governo do Distrito Federal, a Unesco no Brasil e o Centro Cultural Português (Camões).

Os textos escolhidos são dos autores João de Melo (Angola), Conceição Freitas (Brasil), Vera Duarte (Cabo Verde), Jorge Luís Mendes (Guiné-Bissau), Bienvenido Ebang Otogo Obono (Guiné Equatorial), Mia Couto (Moçambique), José Luís Peixoto (Portugal) e Tino Freitas (Brasil/Timor-Leste), com ilustrações de Nelo Tumbula (Angola), Toninho Euzébio (Brasil), Davide Luís Mendes (Guiné Bissau), Daniel Esteves Moreira (Portugal) e Mariano da Cruz Santa (Timor-Leste).

Participam da sessão de lançamento da publicação conjunta a diretora e representante da Unesco no Brasil, Marlova Noleto; o secretário executivo da CPLP, embaixador Francisco Ribeiro Telles; o embaixador de Cabo Verde no Brasil, José Pedro Máximo Chantre D’Oliveira; e a chefe do Escritório de Assuntos Internacionais do Governo do Distrito Federal, Renata Zuquim.

Museu

Também no Brasil, o Museu da Língua Portuguesa, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, terá atrações ao longo de toda a semana para marcar a data. Serão cinco dias de atividades gratuitas, iniciadas no último dia 3 e que se estenderão até o próximo dia 7, incluindo transmissões ao vivo e exibição de vídeos.

A programação inclui visita presencial à exposição temporária Língua Solta, para um público total de 160 pessoas, em grupos de dez de cada vez, com acesso mediante emissão antecipada de ingressos pela internet, informou a Secretaria de Cultura.

Descobrindo o mundo

Para o presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL), professor Marco Lucchesi, a língua portuguesa “é a nossa forma de descobrir o mundo e de estar no mundo. Processo de descoberta e de pertencimento desse mundo. É um instrumento de sentir o que nós fomos, coletivamente, construindo. Uma língua que começou como língua de fronteira aberta, porosa, luminosa, de muito futuro, porque tem a palavra saudade e essa palavra não é, por assim dizer, um privilégio único de um sentimento da língua portuguesa, mas sim a palavra é também uma saudade do futuro”.

Segundo Lucchesi, isso foi sendo construído pela língua portuguesa, que é longa, profunda, cheia de camadas “e se tornou hoje de complexa geopolítica, uma língua da paz”. Acrescentou que um idioma que deu tantos poetas e escritores em todos os continentes é também fator de grande relevância “mas, sobretudo, porque é uma língua que é hoje instrumento de promoção de paz”.

Em transmissão hoje (5) pela internet, Lucchesi vai abordar o tema Novas Palavras, trazendo a percepção de palavras novas ou que entram de forma diferenciada na língua. A ABL vai destacar, semanalmente, palavras que foram repetidas em vários ângulos pela mídia e pela população.

O presidente da ABL acrescentou que o Dia Mundial da Língua Portuguesa é motivo de festa, de comemoração. Lembrou que a instituição adotou como estratégia o estabelecimento de acordo com a Marinha, para distribuição de livros dos acadêmicos aos países de língua portuguesa. Outro acordo inédito foi firmado pela ABL com as academias de Letras dos países lusófonos no ano passado.

Expressando cultura

Na opinião da professora adjunta do Departamento de Letras Neolatinas do Instituto de Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Maria Aparecida Cardoso Santos, a data é importante para celebrar o idioma. “É preciso que as pessoas tenham apreço, porque a língua é o modo de expressão, a cultura, representa tudo, a identidade de um povo”.

Ela ressaltou a necessidade de os jovens, especialmente, aprenderem a amar a língua, “a verificar a riqueza da língua”. Aprender línguas estrangeiras é muito positivo e importante, porque amplia as possibilidades de comunicação, mas conhecer a nossa língua é fundamental. “Porque é por meio da própria língua que a gente acessa a nossa história, nossa cultura, nossa identidade”.

A professora lembrou que a língua falada no Brasil veio com os colonizadores portugueses e foi se transformando ao longo do tempo. “Hoje é outra língua, que se assemelha e distancia da europeia”. A professora completou que a língua portuguesa tem uma riqueza muito grande. Então, quanto mais a gente a conhece, mais consegue compreender. E quando digo conhecer, falo em todos os sentidos. Não é só o estudo da gramática, mas é o estudo do texto, é saber ler e interpretar o que se lê, é saber escrever o que se pretende para comunicar exatamente o que se deseja. É uma série de coisas que perpassam, naturalmente, o conhecimento da língua”.

Evento lusófono

A programação do Dia Mundial da Língua Portuguesa 2021 foi divulgada em Nova York. Um evento com todos os países lusófonos foi organizado por Cabo Verde, que ocupa a presidência rotativa da CPLP. A data será comemorada em pelo menos 44 países, envolvendo mais de 150 atividades para festejar o idioma, falado por um contingente de 285 milhões de pessoas.

De acordo com informação do Instituto da Cooperação e da Língua (Camões) de Lisboa, o português é falado em Angola, no Brasil, em Cabo Verde, na Guiné-Bissau, em Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e no Timor-Leste. O idioma é língua oficial na Guiné-Equatorial e em Macau, na China. O português é falado também em comunidades no exterior, as chamadas “diásporas”. Segundo o Instituto Internacional de Língua Portuguesa (Iilp), com sede em Cabo Verde, existem pelo menos 7 milhões de pessoas que falam o português nas diásporas.

Este ano, estão previstos conferências, concertos, concursos literários e de poesia e eventos acadêmicos, em sua maioria virtuais, para comemorar a data, em função da pandemia de covid-19.

Futuro do português

Nas Nações Unidas, participam do Dia Mundial da Língua Portuguesa alunos da Escola da ONU que estudam português como língua estrangeira, como parte de um projeto piloto de ensino com docentes do Brasil e de Portugal. A subsecretária-geral do Departamento de Comunicação Global da ONU, Melissa Fleming, falará no evento sobre a importância e o futuro do idioma.

Como aconteceu no ano passado, o canal da ONU (ONU News) transmitirá os eventos ao vivo em sua página. Mais informações no site https://en.unesco.org/commemorations/portuguese-language-da.y

Em mensagem, o secretário-geral da ONU, o português António Guterres, disse que o Dia Mundial da Língua Portuguesa 2021 é um justo reconhecimento da relevância global do idioma. “Tenho certeza de que seu futuro continuará a ser enriquecido pela diversidade e solidariedade de todas as suas vozes”.

/Agência Brasil

Continuar Lendo

Viu isso?

Copyright © 2020 - Todos os Direitos Reservados